top of page

ERROS E POLITICAGENS DA F1

1) GP Itália 1978:

 

Andretti e Peterson disputavam o titulo da temporada em Monza. Justamente nessa corrida, a FISA estreou o novo sistema de largada com luz verde no semáforo, mas não foi combinado com o fiscal de pista avisar ao Diretor de Provas o momento que todos os carros estivessem parados no grid.

Resultado: o Diretor de Provas Gianni Restelli deu a largada com alguns carros ainda chegando no grid e esses carros tiveram vantagem de aceleração em relação aos demais que estavam parados, formando um "bolo" de carros durante a largada. Esse erro não foi a causa, mas contribuiu para agravar o acidente de Ronnie Peterson, que veio a falecer no dia seguinte. Na época quiseram colocar a culpa no Patrese, mas na verdade foi um erro da Direção de Prova. O acidente de Peterson poderia ter tido uma gravidade bem menor, se o procedimento de largada fosse feito corretamente como é feito nos dias de hoje.

 

Acidente-do-peterson-em-monza-78.jpg

2) Temporada de 1982:

O regulamento da temporada de 1982 determinava que os carros fossem pesados depois das corridas, sendo que antes da pesagem final, os carros poderiam ser reabastecidos com fluídos perdidos durante a corrida.

 

Resultado: malandramente as equipes Brabham e Williams, utilizaram um tanque de água que era esvaziado durante a corrida para ficarem mais leves e depois da corrida eram abastecidos para a pesagem final e ficavam dentro do peso regulamentar. A FISA descobriu a artimanha, desclassificou os carros no GP Brasil 1982. No fundo a FISA teve culpa ao deixar uma brecha tão grande no regulamento, que seria facilmente utilizada pelas equipes.

GP Brasil 82.jpg

3) GP Brasil 1983:

No GP Brasil 1983, o carro de Keke Rosberg teve um princípio de incêndio, o fogo foi apagado, ele voltou à corrida e chegou em 2o lugar. Após a corrida ele foi desclassificado por ter sido empurrado nos boxes e a FISA estranhamente decidiu que o 2o lugar ficaria vago no resultado final. A decisão correta seria que todos os pilotos que chegaram atrás subissem uma posição, inclusive Alain Prost que chegou em 7o lugar, deveria ter ganho o ponto do 6o lugar.

Essa insensata decisão por muito pouco não influenciou o resultado do campeonato de 1983, haja vista que no final do ano Piquet foi campeão com 59 pontos e Prost foi vice com 57 pontos, por apenas 2 pontos de diferença.

Rosberg_Brasil_83.jpg

4) Temporada de 1989:

A temporada de 1989 foi caracterizada pela luta entre dois GÊNIOS: Ayrton Senna e Alain Prost. O auge dessa disputa foi no GP Japão 1989, na qual ao ser ultrapassado, o francês jogou o carro no brasileiro, pois se ambos batessem, o campeonato ficaria com Prost.

 

O francês saiu do carro, foi até a Sala dos Comissários (fonte: https://www.youtube.com/watch?v=GiTQ9PEbBBA e fonte: https://www.youtube.com/watch?v=4kmVzKikYQE&t=265s no minuto 20) e convenceu Balestre que Senna causara o acidente. O Presidente da FISA manipulou o resultado da corrida, isso foi dito textualmente por Ron Dennis. (Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=nfE8uoolrr0)

Lembrando que no passado vários pilotos tinham sido empurrados pelos fiscais para sair de situação perigosa:

  • Alan Jones na Espanha e Canadá 81,

  • Mansell Bélgica 82,

  • Piquet na Holanda 85, México 87 e Japão 88,

  • Herbert em San Marino 89,

  • Danner no Canadá 89,

  • Alliot na Bélgica 89,

 

Ou tinham cortado a chicane:

  • Pironi na Bélgica 81,

  • Villeneuve e Jones na Áustria 1981,

  • Piquet em San Marino 83,

  • Tambay na Itália 83,

  • Berger em San Marino 88,

  • Nanini na Inglaterra 88,

  • Prost em San Marino 89,

  • Mansell na Bélgica 89.

Nenhum desses pilotos foram punidos e/ou desclassificados, inclusive o próprio Prost cortou a chicane no GP San Marino 1989, se fosse usado o mesmo critério usado para Senna no Japão 89, teria que ser desclassificado.

 

Na verdade, Balestre acreditou na versão do Prost, by passou as funções do Diretor de Prova, desconsiderou o item 56, e se baseou noutro item do regulamento, para dar ar de legalidade na desclassificação do brasileiro. Antes da sua morte, Balestre confessou com todas as letras: "Dei uma ajudinha a Prost nesse dia." (Jean Marrie Balestre em 05/11/1996)

 

Segue o que estava escrito no artigo 56 do regulamento (Fonte Anuário F1 1989 Francisco Santos pg 135):

"Se um carro parar, deve ser removido da pista o mais rapidamente possível, de modo que sua presença não constitua perigo, ou prejudique a corrida ou treino. Se o piloto não puder tirar seu carro de uma posição perigosa por seus próprios meios, é dever dos fiscais de pista ajudá-lo. Neste caso o piloto religa o motor e volta a corrida, sem cometer uma infração, não será excluído."

A situação foi tão estranha, que os documentos da Direção de Prova foram trocados e mais tarde apareceram com textos alterados sem a assinatura correspondente do responsável da equipe. Depois ainda, Balestre cassou a super-licença de Senna e exigiu o pedido de desculpas do brasileiro, que só pôde pilotar um F1 alguns dias antes do GP EUA 1990. (Fonte: Anuário F1 1989 Francisco Santos pg 139 a 140)

Até Piquet no briefing do GP Japão 90, deixou entender que não concordou com a desclassificação de Senna. Anos mais tarde, Nigel Mansell, que correu ao lado do Prost na Ferrari, confirmou aquilo que já sabíamos sobre as manipulações de Prost: "Alain era o professor de manipulação e politicagem na F1". (Nigel Mansell) 

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=Gmo4AgyE7WI

Senna-Prost-89.jpg
Prost disse que punição de Senna foi rigorosa.png

Reproduzido Jornal do Globo de 03/11/1989 pg 22

Prost reconheceu que a punição de Senna foi rigorosa, mas mentiu ao dizer que nunca jogou ninguém pra fora, haja vista que o francês jogou Piquet para fora da pista no GP Holanda 1983. 

Balestre "garfou" Senna nesse dia, mas devemos deixar claro que mesmo que ele não desclassificasse o brasileiro, Prost seria o campeão de 1989 do mesmo jeito, por que Senna bateu na traseira do Martin Brundle na Austrália 1989.

 

5) McLaren de Berger no GP Canadá 1992:

A F1 em 1992 estava perdendo audiência devido o domínio avassalador da Wiliams que tinha um carro 2s mais rápido que qualquer carro do grid. No GP Canadá 1992, Senna, Mansell e Patrese tiveram problemas e abandonaram. Berger acabou herdando a vitória, mas seu carro tinha uma asa traseira afixada alguns milímetros fora do local permitido pelo regulamento, mas a FISA fez "vista grossa" e confirmou a vitória do austríaco. James Hunt foi desclassificado no GP Espanha 1975 por situação igual, mas às vezes a politicagem fala mais alto para fazer a audiência retornar à F1. (Fonte: Anuário FS 1992 pg 111)

Berger_Can_1992.webp

6) Temporada de 1994:

O regulamento da temporada de 1994 proibiu o uso de dispositivos eletrônicos, mas havia relatos que nos treinos livres do GP Pacífico a Ferrari usou CT, no GP San Marino a McLaren usou câmbio automático e nessa mesma corrida a Benetton usou "launch control" no carro do Schumacher (fato comprovado na inspeção técnica da FIA que encontrou uma opção 13, oculta do software do carro). Ainda teve o episódio do GP Alemanha, quando foi descoberta a retirada do filtro da mangueira de abastecimento da Benetton, mas como Charlie Whitting autorizou por escrito a retirada do filtro da mangueira da Larrouse, Flávio Briatore ameaçou "jogar merda no ventilador" se a Benetton fosse punida. Com medo, a FIA POLITICAMENTE NÃO DESCLASSIFICOU NINGUÉM.

No GP Inglaterra 94, a Direção de Prova aplicou punição de stop and go ao Schumacher por passar Hill na volta de apresentação. O estranho é que o alemão tinha feito o mesmo com Senna na volta de apresentação do GP Brasil 94, mas não foi punido, ou seja, os critérios valem quando é conveniente para a FIA. Schumacher cumpriu o stop and go várias voltas depois, e acabou sendo desclassificado e impedido de correr por mais duas corridas (Itália e Portugal), punição extremamente severa. Com isso, Damon Hill chegou "artificialmente" na pontuação do Alemão no final da temporada.

 

Ficou claro que a FIA quis compensar alguma coisa que deixou de fazer durante o ano. Se Senna não morresse, essas punições dadas ao Schumacher, não aconteceriam, e a FIA faria a conhecida "vista grossa".

OBS 1: Anos mais tarde Willem Toet relatou que o CT da Benetton era mecânico, mas a explicação que ele deu acabou por confirmar que seu CT usava eletrônica, portanto seriam irregulares do mesmo jeito:

  • “sensores de alta precisão”,

  • “coletar dados com níveis de aderência do asfalto”,

  • “controle de taxas de aceleração por estágios”,

  • “cortes nos níveis de ignição”,

  • “ele cortava a baixa voltagem transferida às bobinas”. 

OBS 2: Jos Verstappen deu declaração sobre a Benetton do Schumacher em 1994:

"Havia ajudas de pilotagem eletrônicas. Nunca foi mencionado, mas estou convencido, e, mais tarde, quando perguntei a Flavio Briatore, ele respondeu 'não vamos falar sobre isso'. Portanto, agora já sei o suficiente. Como todos os outros, Michael também depende de seu carro. Para a maioria das pessoas, ele era um deus, mas não é um super-homem - no kart, ele nunca me bateu." (Jos Verstappen)


Fonte: http://autoracing.virgula.uol.com.br/ultimas-da-formula-1/f1-verstappen-diz-que-schumacher-trapaceou-em-1994

Incendio-no-carro-verstappen-em-1994.webp

7) Temporada de 1998:

Está certo que a FIA deve deixar os pilotos livres para decidirem o campeonato sem interferências, mas em 1998 a FIA tomou decisões muito benevolentes em relação à Ferrari, quando deveria fazer as equipes e pilotos cumprirem o regulamento.

No GP Canadá, Schumacher empurrou Frentzen para fora na saída dos boxes e toma punição de 10 segundos que foi cumprida pelo Alemão. Mas na volta 38 Schumacher ultrapassa Hill cortando a chicane, levou vantagem na manobra, mas a Direção de Prova fez vista grossa, mesmo com o protesto da equipe Williams.

No GP Inglaterra, Schumacher passa Wurz em bandeira amarela e toma punição de stop and go referente ao artigo 57 letra "c" do regulamento. Jean Todt, malandramente, gerou dúvida em relação ao item do artigo (item "c" ou "e"), justamente para postergar a punição o maior tempo possível, para que ela fosse cumprida no final da corrida. O plano deu certo, Schumacher cumpriu a punição na última volta e ganhou a corrida cruzando por dentro dos boxes. O Alemão levou nítida vantagem, pois o tempo perdido pelo stop and go foi bem menor do que se fosse feito numa volta normal, mas a FIA novamente fez "vista grossa" e ficou por isso mesmo.

Schumacher Ing1998jpg.webp

8) GP Malásia 2002:

A temporada de 2002 ficou caracterizada pelo domínio da Ferrari nas corridas, mas no GP Malásia 2002, Schumacher e Montoya largam lado a lado, o Alemão erra a freada e espalha para cima do Montoya, perde o bico e quase joga o colombiano para fora da pista. Estranhamente a Direção de Prova inocenta Schumacher e dá punição de Drive Through ao Montoya, que na verdade foi vítima na manobra errada do Alemão. Montoya foi o primeiro a tomar uma punição desse tipo na F1, resultado de um erro grosseiro de interpretação da Direção de Prova.

Até Schumacher reconheceu que a punição ao colombiano foi injusta. 

Malásia 2002 schu_mon.jpg

9) Temporada de 2006:

A temporada de 2006 ficou marcada pela luta entre dois super pilotos: Michael Schumacher e Fernando Alonso. A equipe Renault utilizava Amortecedores de Massa que estavam aprovados pela FIA desde 2005. Mas estranhamente eles foram proibidos no meio da temporada de 2006, algo totalmente anormal, pois não se pode mudar a homologação de um equipamento com o campeonato em andamento. Com isso o carro da Renault piorou de rendimento, a Ferrari melhorou e por pouco Fernando Alonso não perdeu o campeonato.

E ainda teve a punição controversa no GP Itália, onde o Alonso perdeu seus 3 melhores tempos no Q3, por supostamente atrapalhar Massa na sua volta rápida, quando na verdade o espanhol estava 100 metros na frente do brasileiro. Por causa dessa punição Alonso teve que largar em 10o lugar.

Tudo indica que a FIA agiu POLITICAMENTE, para beneficiar a Ferrari e fazer Schumacher entrar na luta pelo campeonato com Alonso, na sua despedida da F1. Foi uma vergonha.

Amortecedor Massa Renault.png

10) Temporada de 2008:

Em 2008 a FIA aplicou punições estranhas e controversas ao Hamilton, dando a impressão que queriam empurrar a decisão pelo título para o GP Brasil, o que de fato aconteceu.

No GP Bélgica 2008, Hamilton, ao tentar ultrapassar Raikkonen, corta a chicane mas devolve a posição e repassa o finlandês na curva seguinte. A FIA deu punição de 25 segundos inglês no final da corrida e colocou o item no regulamento após a punição, algo jamais visto na F1, pois se o item proibitivo entrou no regulamento depois do fato, o inglês não poderia ter sido punido.

No GP Japão 2008, Hamilton assume a liderança na largada, depois sai da pista e volta atrás do Felipe Massa. O inglês ultrapassa o brasileiro na chicane, Felipe tenta dar o troco, bate com a roda e faz o inglês rodar. A FIA estranhamente deu STOP AND GO para ambos os pilotos, quando deveria dar apenas ao brasileiro, pois ele causou a batida.

Ficou a impressão que a FIA estava querendo empurrar a disputa do título para o Brasil, pois eles sabiam que o GP Singapura 2008 fora manipulado e isso fez Felipe Massa perder pontos importantes, então tentaram compensar de alguma forma.

Batida Massa Hamilton Jap 2008.jpg

Momento do toque de Massa no Hamilton no Japão 2008

11) GP Abu Dhabi 2021:

A temporada de 2021, foi uma das mais equilibradas de todos os tempos, e disputada entre dois grandes pilotos, mas a Direção de Prova no GP Abu Dhabi errou. No final da corrida, o inglês liderava e estava indo para o OCTA, quando a Direção de Prova determinou a entrada no Safety Car a 4 voltas do final. Ao não dar bandeira vermelha, a Direção de Prova deu uma enorme vantagem estratégica para a equipe Red Bull.

 

A vantagem veio do poder de escolha da Red Bull após a passagem do Hamilton:

  • Se Hamilton entrasse nos boxes, Verstappen permaneceria na pista para se manter na frente e tentaria "fechar a porta" do Hamilton, pois se ambos batessem o favorecido seria o holandês. 

  • Se Hamilton não entrasse nos boxes, Verstappen trocaria os pneus para super macios e partiria para o ataque na última volta, o que de fato aconteceu.

Ficou a impressão que não foi um erro proposital, foi sim uma falha de avaliação de Michael Massi (Diretor de Provas) do regulamento e possíveis consequências na decisão do campeonato. Mas o erro pior de todos foi o Diretor de Provas ter deixado apenas os retardatários que estavam entre Verstappen e Hamilton, tirarem uma volta de vantagem em relação o líder, antes da relargada, com isso Hamilton ficou na "alça de mira" do Verstappen.

Algumas pessoas dizem que foi um campeonato "roubado", mas na minha modesta opinião, não acho que tenha sido.

Se Michael Massi quisesse prejudicar Hamilton teria o punido já no começo da corrida, quando o inglês ao ser ultrapassado por Verstappen corta o caminho por fora da pista e recupera a posição, mas o inglês não foi punido. No episódio 10 da série "Drive to Survivor 2021", foi dito que os comissários perceberam que o Verstappen "abriu mão da vantagem" na volta que ele ultrapassou Hamilton, como se o holandês tivesse feito de propósito para fazer Perez chegar no Hamilton, então por esse motivo os comissários deixaram Hamilton na liderança da corrida.

lewis-hamilton-jos-verstappen.webp

12) Red Bull estoura o limite de orçamento na temporada de 2022:

A FIA comprovou que a equipe Red Bull estourou o limite de orçamento de US$ 140 milhões previsto para a temporada de 2022, mas puniu a equipe na redução de 10% de tempo no túnel de vento para 2023, ou seja, eles teriam direito a 70% do tempo, mas esse tempo foi reduzido para 60%. Punição absolutamente insignificante e ineficaz.

O fato da equipe austríaca ter obtido vantagem no orçamento, levou-os a sair na frente em termos de desenvolvimento do seu carro, que se tornou rapidamente o melhor do grid. Com isso a Red Bull conseguiu vitórias e pontos importantes para abrir frente no campeonato e dificilmente as demais equipes teriam condições de alcançá-la, por causa da limitação orçamentária imposta pela FIA, mas que não foi respeitada pela Red Bull. Ou seja, a equipe burlou o regulamento e tirou proveito dessa vantagem. Christian Horner negou... mas foi um tipo de trapaça muito bem pensada.

A FIA errou em dar uma punição branda, abrindo um precedente perigoso para outras situações similares no futuro.

Christian Horner 2022.jpg

13) GP Las Vegas (EUA) 2023:

No treino livre de sexta-feira para o GP de Las Vegas de 2023, uma tampa de bueiro solta causou um acidente que danificou a Ferrari de Carlos Sainz. Partes inferiores do carro e a bateria tiveram que ser trocadas devido a esse acidente e pelo regulamento, a troca da bateria é punida com a perda de 10 posições do grid. Mas o causador do acidente foi um fator externo, não ligado à equipe Ferrari nem a Carlos Sainz, e fora isso os Comissários deveriam ter inspecionado a pista antes do começo dos treinos, o que não aconteceu segundo relatos de várias pessoas.

 

Devido a esses erros, por questão de justiça, a FIA deveria preservar a posição de largada original do Sainz. Mas os Comissários, contra todos os prognósticos, mantiveram a punição cuja a causa real fora a falta de medidas preventivas dos organizadores e omissão da própria FIA. BOM SENSO é uma coisa que passa longe dos organizadores da F1.

Para piorar, na pista ainda teve o caso que Max Verstappen atrapalhou de propósito o tempo de Esteban Ocon no Q1, mas não foi punido, mais um erro dos comissários da FIA.

Bueiro Las vegas 2023.jpg
bottom of page